Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As nossas viagens. Ex-Militares da Companhia 3485 e Amigos.

QUEM GOSTA VEM… QUEM AMA FICA.

As nossas viagens. Ex-Militares da Companhia 3485 e Amigos.

QUEM GOSTA VEM… QUEM AMA FICA.

Ilha da Madeira... a beleza natural do Funchal

Funchal10.jpg

Numa ilha rica em água e com temperaturas amenas e uma humidade moderada, até a cidade do Funchal tem uma beleza natural.
 
O roteiro pelos jardins, pela baixa e pela baía do Funchal foi muito intimista.
No centro histórico ainda persistem lojas centenárias com a traça original, que nos permitem sonhar com o comércio no passado... por exemplo, a Pharmacia Portugal ou a Fábrica de Santo António, desde 1893 com receitas tradicionais de broas, bolos de mel e rebuçados de funcho.
São as Lojas com História e com um moderno "QR Code" informativo.
 
Devido à Festa da Flor as principais ruas e praças estavam decoradas com flores. Na  Exposição havia belos exemplares produzidos em toda a ilha.
 

Funchal18.jpg

Funchal11.jpg

Funchal12.jpg

Funchal13.jpg

Funchal14.jpg

Funchal15.jpg

Funchal16.jpg

Funchal17.jpg

O Mercado dos Lavradores, no centro, é de visita obrigatória. Só o nome, desperta a curiosidade... os frutos são variados, onde a banana é rainha. Um mundo de cores, de fruta, legumes, peixes e flores.

Funchal20.jpg

Funchal21.jpg

A catedral do Funchal, que estava em restauro, é um belo edifício mandado construir, à imagem da ilha, por D. Manuel I, no século XV.
 
Almoçámos na Marina, no restaurante O Solar da Santola. O filete de Corvina era generoso e fresco.
 
A despedida da Ilha da Madeira foi feita no Miradouro de Cristo Rei.

Funchal30.jpg

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

 

Ilha da Madeira... do Monte ao Curral das Freiras 13/10/21

Monte1.JPG

Monte

 

A natureza é, de facto, o ponto forte da Madeira... até nas zonas urbanas.

A ida ao Monte foi uma boa experiência.

Começou no centro histórico da cidade do Funchal, seguimos pela Rua de Santa Maria, um verdadeiro museu através do projeto “Arte de Portas Abertas”, em que as suas portas foram pintadas por inúmeros artistas, para uma subida no teleférico... 550m de percurso.

Portas10.jpg

Portas11.jpg

Portas12.jpg

Portas13.jpg

Aos poucos o ambiente da cidade é substituído por encostas verdejantes, muitas bananeiras, montes e vales, numa viagem que tem a baia do Funchal e o Oceano Atlântico como pano de fundo.

Monte2.JPG

Passeámos numa frescura ambiental muito agradável, no jardim junto à igreja... um local coberto por muitas espécies de plantas da ilha, outras exóticas e muitas árvores centenárias. 

Depois, houve um momento de paz na Igreja de Nossa Senhora do Monte. Ali se encontra sepultado o Imperador Carlos I da Áustria, o último titular do Imperio Austro-húngaro (heranças... da segunda guerra mundial).

De regresso, a descida, para alguns, fez-se nos carros de cesto, manobrados por homens pela ingreme encosta, quase até ao centro da cidade.

Monte10.jpg

Monte11.jpg

Monte12.jpg

Monte13.jpg

Monte14.jpg

Monte15.jpg

Monte16.jpg

Eira do Serrado

Outro local com ar puro e vistas deslumbrantes para as montanhas. Um microclima, que permite aos habitantes a produção de castanha e cereja... incluem a castanha em quase tudo o que pode ser feito, licores, bolos, pudins e sopas... comprovado ao almoço.

O miradouro situado a uma altitude de 1094 m, oferece um deslumbrante panorama sobre as montanhas e a vila do Curral das Freiras, situada no coração da Ilha onde no século XVI as Freiras se refugiavam dos Piratas, que frequentemente atacavam a Madeira.

O almoço foi no Restaurante Eira do Serrado. A sopa de castanha estava uma delícia, assim como o frango à Eira do Serrado. Um serviço muito profissional.

Eira10.jpg

Eira11.jpg

Eira12.jpg

Eira13.jpg

Miradouro do Pico dos Barcelos

A nossa última paragem, antes do regresso ao hotel.

A 355 metros acima do nível do mar desfruta-se de uma paisagem inesquecível sobre a cidade do Funchal e com as ilhas Desertas lá ao fundo.

PBarcelos10.jpg

PBarcelos11.jpg

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Ilha da Madeira... Um dia na Levada das 25 Fontes 12/10/21

Levada10.jpg

Ir à Madeira e não caminhar numa levada é perder uma experiência única, na nossa vida.
 
Descobri-la na companhia de um guia especializado, é o tal passeio imperdível.
 
A Floresta Laurissilva é produtora de água, que a capta das neblinas, daí terem sido criadas levadas que "educam" a água e a canalizam montanha abaixo... são cerca de 2500 kms.
 
A escolha não foi fácil, mas há oferta para todos e com diversos níveis de exigência e de adrenalina QB (quanto baste)... para antes, durante e depois.
 
Resumindo: - No final da nossa caminhada, as faces estavam iluminadas pela superação e pelas sensações inesquecíveis na harmonia e paz do local, na abundância de água, que brota dos poros da terra, e na biodiversidade da vegetação Laurissilva que transforma todo o percurso numa espécie de santuário.

Levada20.jpg

Levada22.jpg

Levada23.jpg

Levada24.jpg

Levada25.jpg

Levada26.jpg

Levada27.jpg

A construção da levada das 25 fontes remonta a 1835... no ano de 1855 começou a circular água para abastecer as populações.
 
Começámos no Túnel da Estrebaria, que liga a zona sul à zona norte. Um túnel com cerca de 800 m, escuro e molhado, onde foi preciso usar lanternas durante todo o percurso... alguém dizia: - Não vejo a ponta d'um corno. Respondem: - Guia-te pelo outro.
 
Este túnel é uma alternativa ao percurso tradicional... sem se perder muito, ganham-se algumas centenas de metros em altura / degraus (300?).
 
Depois, já à luz do dia, foi o momento para manter os olhos bem abertos para ver as borboletas, abelhas e insetos, pássaros, peixes e flores silvestres com cores fortes, numa cobertura exuberante de vegetação endémica... galhos entrelaçados de árvores em forma de saca-rolhas a saírem da floresta e a alcançar-nos ao nível do tronco, criando túneis complexos na aparência interligada e com visuais impressionantes.
 
Não consigo imaginar isto durante ou depois de muita chuva, mas presumo que seja de todo selvagem.
Igualmente, não sei como será em meses de intenso turismo.
 
Passados 2 kms, lá estava a Cascata do Risco, uma gigante queda de água... a partir daqui o trilho torna-se, provavelmente, na melhor parte do caminho, com algumas saliências divertidas, abismos com centenas de metros, mais estreito, matas cerradas e algumas cascatas irreverentes. A descida que fizemos nesta parte do percurso foi cobrada no regresso.
Superados os primeiros 5 quilômetros e todas as suas emoções, chegou o momento de largar a mochila e pegar no saco do picnic... num cenário verdadeiramente mágico, o anfiteatro das 25 Fontes.
 

À noite, ainda houve força para um jantar típico e para o Bailinho da Madeira ... saboreámos o Vinho da Madeira, o bolo do caco, a famosa “espetada”, o milho frito, a batata-doce e a Poncha.

Jantar10.jpg

Jantar11.jpg

Jantar12.jpg

Jantar13.jpg

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Ilha da Madeira... de Câmara de Lobos à Encumeada 11/10/21

Camara_Lobos10.jpg

Câmara de Lobos

No segundo dia, começámos pela primeira povoação da Madeira criada pelo próprio Gonçalves Zarco.

O nome provém do facto de, na época da descoberta da ilha, ter sido avistado uma grande quantidade de lobos-marinhos na enseada. Os pescadores, especializaram-se a pescar o peixe-espada preto. Os barcos típicos são chamados de "os Xavelhas".

Do miradouro ou Ilhéu de Câmara de Lobos, um rochedo sobranceiro ao mar que se assemelha a uma ilha (hoje um espaço cultural), tem-se uma vista magnífica.

Camara_Lobos11.jpg

Camara_Lobos12.jpg

Camara_Lobos13.jpg

Cabo Girão

Por estar a 580 metros acima do nível do mar, é considerado o promontório mais alto da Europa e o segundo mais alto do mundo.

A plataforma suspensa, com uma grelha em aço e vidro transparente, proporciona vistas incríveis do oceano e para o Funchal. Por baixo , encontram-se as fajãs... áreas agrícolas à beira-mar.

A designação de Cabo Girão também se deve a Gonçalves Zarco... era um ponto de referência para as caravelas.

Cabo_Girao10.jpg

Cabo_Girao11.jpg

Cabo_Girao12.jpg

Cabo_Girao13.jpg

Ribeira Brava

O próprio nome e as notícias sugerem as piores razões: - A vila fica situada junto ao mar na foz de uma ribeira que desce pelas encostas escarpadas do interior montanhoso.

Ribeira_Brava10.jpg

Ribeira_Brava11.jpg

Ribeira_Brava12.jpg

Ribeira_Brava13.jpg

Ribeira_Brava14.jpg

Ribeira_Brava15.jpg

Porto Moniz

Depois de uma breve passagem por Ponta do Sol, pela Calheta, com a sua praia de areia trazida do deserto africano, e pelo planalto do Paul da Serra, descemos a costa norte entre vistas excelentes para o Oceano Atlântico e para as piscinas naturais da Vila de Porto Moniz.

Almoçámos no Restaurante Orca. O serviço era lento com empregados aparentemente inadaptados... no entanto, os bifes de atum salvaram as honras da casa, estavam muito bons e com "alma". Recomendo, mas precisam de paciência para almoçar... duas horas não devem chegar.

A seguir, ainda deu para uma visita relâmpago à vila.

Depois, seguimos até São Vicente por uma recuperada estrada, entre mar à esquerda e altas escarpas à direita.

Porto_Moniz10.jpg

Porto_Moniz11.jpg

Porto_Moniz12.jpg

Porto_Moniz13.jpg

Miradouro da Encumeada

No regresso ao hotel, parámos no miradouro da Encumeada para uma visão panorâmica das duas vertentes da ilha... a pouca visibilidade, o estado de abandono do local e a quantidade de silvas e arbustos não facilitaram as nossas intenções.

Encumeada10.jpg

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Ilha da Madeira... do Machico ao Pico do Areeiro 10/10/21

IMG_20211014_194204.jpg

Depois de ano e meio de receios e confinamentos, aconteceu... a nossa viagem anual, quase como os sabores de um qualquer bolo de aniversário.

O certificado de vacinação com as duas doses e a inscrição na app Madeirasafe foram o nosso passaporte.

Aterrámos cedo na Ilha da Madeira, a “Pérola do Atlântico”.

O corredor verde-escuro no aeroporto Cristiano Ronaldo, proporcionou o livre acesso ao exterior e à equipa de técnicos, que rapidamente confirmaram o que já estava validado no telemóvel.

 

Durante o voo... senti-me como uma criança feliz e livre num parque de diversões. Afinal, ia em direção à terra das flores, das levadas, do bolo do caco e da poncha.

 

Esperava-nos um sol radiante, um vento quente e um cheirinho a mar.

No autocarro, já a caminho da nossa primeira paragem no Machico, dizia-nos com orgulho, Darlene Perestrelo, guia oficial: - arregalem os olhos e sintam os aromas... até trespassam a máscara.

 

Machico

Depois de um reconfortante café na primeira capital da ilha, o passeio foi livre na cidade com a história da redescoberta em 1419, pelos navegadores João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo.

O ponto de encontro foi na antiga igreja " Capela dos Milagres".

Machico10.jpg

Machico11.jpg

Machico12.jpg

Machico13.jpg

Ponta de São Lourenço

Chegados ao extremo Este da ilha, a paisagem era agreste e árida... plantas rasteiras e ausência de árvores. O local, de encostas rochosas escarpadas é misteriosamente recortada numa reserva natural muito bela e de excelência, pelas vistas maravilhosas sobre o oceano, para as ilhas selvagens e, com sorte, para a Ilha do Porto Santo (não foi o nosso caso)... não há fotografias que façam justiça aos horizontes.

Ponta_SLourenco10.jpg

Porto da Cruz

Depois de uma breve olhadela no Museu do Engenho Velho, repleto de imagens, ferramentas e maquinaria, seguimos à beira mar até ao centro da vila, entre momentos muito agradáveis.

O anúncio, no bar - A fragateira (?) - "Coma uma sandes do famoso gaiado seco", com a premiada Poncha da Praia da Alagoa… deixou-me com água na boca.

Porto_Cruz10.jpg

Porto_Cruz11.jpg

Porto_Cruz12.jpg

Santana

É a segunda maior cidade na Ilha da Madeira. As poucas casas antigas, ainda se veem… estão rodeadas de bonitos jardins, pintadas com cores vivas e com telhados de colmo.

Para turista ver, há um núcleo adaptado a lojas de artesanato e de lembranças.

 

No entanto, a riqueza da região está no seu ecossistema, que valeu, em 2011, a distinção de “Reserva da Biosfera” pela UNESCO.

Também se vê, muita agricultura, mesmo em recantos muito pequenos ou quase inacessíveis... o mercado despertou a minha curiosidade pela variedade de maracujá e pelo "festival" de cheiros, da fruta e dos vegetais, até as cenouras pareciam diferentes.

 

O almoço na Quinta do Furão, foi como uma nódoa a cair no melhor pano. Um filete de espada, em modo rolinho, deitado ao lado de meia banana, numa cama de couve branca, com dois quadradinhos de batata-doce assada... o cozinheiro não provou a comida e a gerência andava distraída ou esqueceu que o cliente é quem paga os ordenados.

O almoço estava uma desilusão, peixe tão mole quanto a banana e sem tempero… sem sabor, sem molho de maracujá, de limão ou azeite. Valeu o pão, muito bom. Nota zero, não recomendo.

Santana10.jpg

Santana11.jpg

Ribeiro Frio

Depois do almoço houve uma paragem em plena floresta Laurissilva. Neste lugar, aparentemente recôndito, bastam alguns minutos para perceber a movimentação de muitos turistas.

Num curto espaço, há diversos pontos de atratividade... o Posto Aquícola das trutas, o miradouro dos Balcões, a floresta Laurissilva, a Levada do Furado e restaurantes com bifes no bolo do caco, a tradicional Poncha e o cortado (café de saco misturado com vinho Madeira).

A floresta húmida Laurissilva, tem na Ilha da Madeira a sua maior expressão. Foi considerada Património da Humanidade, em 1999, pela UNESCO. É composta por loureiros, Barbusano, o Til, o Vinhático, uveira da serra, a urze, fetos, entre outras, que retêm grande parte da água das neblinas, que acaba a circular nas levadas para abastecer a ilha.

É um excelente local para quem ama a natureza e a aventura.

As paisagens são únicas... há sempre qualquer coisa, que falta ver!

 

Pico do Areeiro

No final de um dia feliz... senti, que estava nas nuvens! Uma visão linda e única.

O frequente nevoeiro, que pode estragar tudo, desta vez (finalmente) ficou uns bons metros mais abaixo.

Estivemos a 1810 metros acima do nível do mar e por cima das nuvens com paisagens naturais deslumbrantes e belas formações rochosas que se projetam no céu, num cenário de "perder a respiração".

Pico_Areeiro10.jpg

Pico_Areeiro11.jpg

Pico_Areeiro12.jpg

Hotel Alto Lido ****

Depois de um dia "em cheio", esperava-nos um alojamento, 5 estrelas, perfeito... foi a cereja no topo do bolo.

Instalações limpas e com muita luz. O quarto era amplo e com vista para o mar, no meu caso.

A ampla sala de refeições, com pequenos-almoços fartos e variados e um Buffet ao jantar, igualmente bom. À noite, na sala de cocktails, a música ao vivo era uma constante.

Os empregados foram atenciosos e profissionais... tenciono voltar.

Alto_Lido10.jpg

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

 

 

Roménia, Biertan, Sibiu, Sibiel - Abril 2019

Biertan10.jpg

A Roménia, tal como a Bulgária, são o espetáculo da natureza, com um património natural, rural e cultural invejável, que nos deu a oportunidade de recuar no tempo e de ter vivências diferentes do ocidente, do progresso, do consumismo e da superabundância.

Iniciámos mais um dia na frágil rede de estradas que nos obrigam a atravessar vilas inteiras, a percorrer rios ou a serpentear os Cárpatos.

Começámos o dia na pequena povoação de Biertan para uma visita a uma das mais famosas e belas igrejas fortificadas que domina a paisagem da aldeia e toda a sua antiga estrutura defensiva.

Por uma escadaria de madeira, subimos a colina até à entrada da igreja. O interior estava muito bem preservado, e com um altar único onde se esconde a porta da sacristia, datada de 1515. Tem um prémio internacional na Exposição Mundial de Paris, em 1900, como consequência do seu sistema complicado de fechadura de 19 trancas, ainda a funcionar, e também pela arte das magníficas incrustações na madeira.

Biertan.jpg

Biertan11.jpg

Biertan12.jpg

Biertan13.jpg

Biertan14.jpg

Biertan15.jpg

 

No século 12, foram convidados colonos da Saxónia a estabelecerem-se na Transilvânia para desenvolver a região e a proteger dos invasores. Com a experiencia dos colonos, Biertan tornou-se numa cidade importante pelas artes e cultura e pela movimentação das mercadorias. A igreja depois de transformada numa fortaleza com 3 níveis de muralhas, conectadas pelos portões das torres, era a obra-prima do culto, da defesa e da resistência aos invasores e não só, também pela sua dimensão.

 

Das 6 torres e dos 3 baluartes, foi possível visitar a torre do mausoléu que abriga as pedras esculpidas dos túmulos de bispos e sacerdotes, a torre católica com fragmentos de frescos e uma sala num pequeno espaço, talvez na torre da prisão ou do casamento (não sei), onde havia uma cama individual muito estreita, um utensílio que parecia para a higiene, um prato, uma mesa e um banco, onde os casais desavindos ficavam confinados em terapia conjugal até se conciliarem ou separarem em definitivo. Dizem que funcionava, porque em 300 anos só houve um divórcio. Também há outra leitura, que diz: Se os casais permanecessem na pequena sala muito tempo perdiam as sementeiras e a força do seu trabalho, pelo que o ano seguinte seria, certamente, de muita fome.

Biertan16.jpg

Biertan17.jpg

Biertan20.jpg

Biertan21.jpg

Biertan22.jpg

O almoço servido na casa do padre local, tornou a refeição mais agradável e diferente do habitual. O rustico esteve sempre presente entre uma comida tradicional, feita só para o grupo, e um vinho local, dito caseiro. No final borraram a pintura toda, primeiro com a sobremesa, um bolo muito seco e de fabrico industrial, e depois com a ausência do Sr. Padre, que todos, ou quase todos, desejavam conhecer… apesar de tudo, nós até eramos as visitas.

Será que a casa e o padre eram uma “treta” do imaginário de alguém?… Só Deus e, certamente, mais alguns cúmplices saberão.

Biertan30.jpg

Enquanto seguíamos de autocarro para Sibiu, pensava: Como é possível na minha idade os locais visitados ainda me surpreenderem tanto e com gratas memórias. São momentos, que sabem tão bem.

Cheguei a Sibiu sem grandes expectativas, mas saí de lá conquistado ou cativado por aqueles olhos, das janelas dos sótãos que até parecem estar a olhar curiosos. Aliás, a Transilvânia já pertencia ao meu imaginário literário.

sibiu12.jpg

É a terceira maior cidade da Roménia, que escapou em boa parte da destruição provocada pelas grandes guerras e às loucuras de Ceausescu. Organiza-se em torno de três praças, a mais pequena, a pequena e a grande. No entanto, está na cidade alta o centro histórico, onde se encontram a maioria dos monumentos e as atrações urbanas.

Encontrámos, por lá, um ambiente de festa entre igrejas e monumentos e uma grande azáfama na montagem de grandes tendas que estavam a retirar toda a beleza ao espaço público.

A principal e larga artéria pedonal é uma lufada de urbanismo, moderno, onde se destacam gelatarias, restaurantes, muitas esplanadas e lojas de grandes marcas.

sibiu10.jpg

sibiu11.jpg

sibiu13.jpg

sibiu30.jpg

sibiu31.jpg

sibiu32.jpg

Há recantos muito bonitos em Sibiu. Ao fundo da praça “Little Square”, no coração da cidade medieval, está uma ponte prestes a colapsar, quando, um dia, for atravessada por um mentiroso. É a Ponte das Mentiras, carregada de lendas sobre mentirosos e mentirosas. Erguida em 1859, foi a primeira ponte em ferro fundido com pilares.

sibiu14.jpg

sibiu20.jpg

Ao fim do dia na localidade de Sibiel, diminutivo de Sibiu, ainda houve tempo para um passeio em carruagens puxadas por valentes cavalos, que, juntamente, com um jantar caseiro, de qualidade e de excelentes sabores, preparado por uma família local, foi a cereja no topo do bolo, como se costuma dizer.

sibiel10.jpg

sibiel11.jpg

sibiel12.jpg

sibiel13.jpg

sibiel14.jpg

Confesso que não imaginava viver tantas emoções nesta viagem, que percorreu a Bulgária e a Roménia. De tudo o que vi, adorei a natureza ainda em estado puro e um mundo rural ainda muito ou totalmente verdadeiro… até a vaca vem sozinha do pasto para se recolher em casa.

Termino as crónicas desta, nossa, viagem com uma merecida referência ao guia Sr. Marian Justin Firinca, um Gentleman e um bom embaixador do seu país, a Roménia. Se um dia precisarem de um guia, este é excelente.

Contatos: Telefones +40771024093 / +40723336804 e Email justinturism@gmail.com

 

Até Abril de 2020, na India.

 

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Roménia, Bran, Castelo de Drácula e Sighisoara - Abril 2019

Bran10.jpg

Devido à afluência de turistas à localidade de Bran, saímos cedo da cidade de Brasov, a coroa da Transilvânia.

O Castelo de Bran, conhecido pelo Castelo de Drácula, é um monumento nacional e a principal atração turística da Roménia. Foi construído no topo de uma elevação rochosa, rodeado de vegetação, muito compacto e com algumas pequenas janelas, que, no conjunto, tentavam dificultar a entrada de estranhos ou a fuga de prisioneiros, tal como se descreve, desde 1877 na obra de Bram Stocker, o Conde de Drácula e que conduziu à persistência do mito de que este castelo terá sido a residência do Príncipe Vlad Dracul.

Meio século depois, de eu ter lido os contos inspirados vagamente na figura de Vlad Dracul, príncipe da Valáquia, e numa ilustração do castelo, deslumbrei-me com a realidade do interior da construção, das várias salas pouco espaçosas, mas bastante acolhedoras e recatadas de olhares, as passagens secretas, as escadas apertadas que se cruzam com outras em labirinto e que nos levam a alguma desorientação no interior.

Por certo haveria muito mais a visitar, mas o que vimos foi suficientemente convidativo, misterioso e místico para explicar como o Conde de Drácula, o vampiro, era tão rápido a mover-se entre divisões distantes. Apesar do exterior do castelo ser único, quase assombrado e a melhor parte para muitos, eu achei o seu interior imperdível. O facto de a verdadeira história do castelo estar ligada a uma mulher, a Rainha Maria, dá-lhe todo aquele brilho. Era a sua residência cheia de bom gosto interior e não só em mobiliário, tapeçarias e, até roupas.

Bran11.jpg

Bran12.jpg

Bran13.jpg

Bran14.jpg

Bran15.jpg

Bran16.jpg

Bran17.jpg

Bran18.jpg

Bran19.jpg

Pelo que li na obra, a personagem de Drácula não era comparável com Vlad, um herói nacional para os romenos. Enquanto o primeiro matava as suas vítimas ocasionalmente, Vlad, na vida real, dizimava cidades inteiras entre torturas e execuções nas mais diversas formas de crueldade, que chegou ao ponto de beber o sangue dos inimigos.

Não gostei: - Da forma descontrolada da entrada, que rapidamente enche tudo o que são espaços e limita a comunhão com a beleza deste espaço, único.

 

Depois de um razoável almoço na Taberna Lupilor seguimos viagem para cidade fortificada de Sighisoara, Património Mundial da UNESCO e uma das mais belas cidades medievais da Europa. Casas históricas coloridas, igrejas antigas, ruas de paralelepípedos e a torre do relógio.

Sighisoara10.jpg

Sighisoara11.jpg

Sighisoara12.jpg

Sighisoara13.jpg

Sighisoara14.jpg

Sighisoara15.jpg

Sighisoara16.jpg

Sighisoara17.jpg

Dizem que Vlad Dracul III terá nascido nesta cidade, em 1431, onde viveu até aos quatro anos de idade numa casa situada no centro histórico, hoje um restaurante, onde jantámos. É um local muito concorrido devido às lendas que existem à volta desta figura histórica. No entanto, a qualidade da comida, o atendimento e arejamento da sala não são proporcionais à popularidade. Se puderem escolham outro restaurante.

 

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Roménia, Sinaia e Brasov - Abril 2019

IMG_20190427_140314.jpg

Outro dia de viagem, com os Cárpatos ao longe, entre estradas estreitas a necessitar de manutenção e uma Roménia ainda a renascer da ruralidade.

Sinaia10.jpg

O nosso destino era Brasov, uma cidade no centro do país, capital da região da Transilvânia.

Fizemos a nossa primeira paragem em Sinaia, uma cidade e estância de montanha, de férias de Inverno e de Verão. Em certos recantos lembra um pouco de Sintra, quando se vai para o Palácio da Pena. Estava prevista a visita do Palácio de Peles, mas um acidente de trânsito ou obras na estrada obrigaram-nos a uma longa paragem e a perder a nossa hora de entrada.

O Palácio e toda a sua envolvente são de uma beleza enorme, saídos de um conto de fadas, como se costuma dizer, e que não se esquece facilmente. A localização foi escolhida pelo príncipe Carlos, que depois veio a ser Carlos I, o primeiro rei e o fundador da Roménia moderna.

Sinaia11.jpg

Sinaia12.jpg

Sinaia13.jpg

Sinaia14.jpg

Sinaia15.jpg

Sinaia17.jpg

Sinaia18.jpg

A meio da tarde chegámos ao nosso destino. A vista de Brasov a partir do hotel era fascinante e magnífica, deixando adivinhar um centro histórico medieval. Visitámos belos monumentos arquitetónicos onde se destacou a Igreja Negra, as fortificações, a cidadela, o bairro judeu e a Igreja de São Nicolau.

Brasov10.jpg

Brasov11.jpg

Brasov12.jpg

Brasov13.jpg

Brasov14.jpg

O nosso guia contou que um grande incêndio destruiu quase toda a cidade. A igreja não escapou ao desastre ficando as suas paredes e tetos para sempre escurecidos, fato ao qual se deve o nome: Igreja Negra.

Abriga o Órgão Buchholz, o maior da Roménia e um dos maiores da Europa, com quase 4000 tubos, onde se tocou música de Bach pela primeira vez na Transilvânia.

 

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Roménia, Bucareste - Abril 2019

Bucareste16.jpg

Depois de uma lenta passagem, numa fronteira, à moda antiga, entre a Bulgária e a Roménia as paisagens continuavam magníficas e até com muitas ovelhas.

Apesar de ser a Páscoa Ortodoxa e Sexta-feira Santa, aos poucos, comecei a sentir-me mais na Europa, embora num pais cheio de particularidades, talvez originárias de um passado atribulado, ainda muito recente, e do legado de loucuras do ditador Nicolae Ceausescu, até 1989.

A capital, Bucareste, tem edifícios muito bonitos, talvez majestosos, contrastando com prédios normais. Foi uma estadia curta, que deu para conhecer do, muito, que esta cidade tem para oferecer e para motivar uma segunda visita.

Bucareste13.jpg

Bucareste14.jpg

Bucareste15.jpg

Bucareste17.jpg

Bucareste18.jpg

Durante uma visita panorâmica, ao fim da tarde, fica-se com a primeira grande impressão: - Estamos numa grande cidade de avenidas largas, limpas e organizadas, vida alegre que nos proporciona bons momentos! Era noite e o dia foi longo e desgastante, precisávamos de um jantar apropriado.

Fomos ao Cara’ Cu Bere (carroça da cerveja), a cervejaria mais antiga e uma verdadeira instituição de Bucareste (130 anos), e na atualidade, também restaurante virado para o turismo onde a decoração do interior vale tudo - janelas e vitrais, mosaicos cerâmicos coloridos, paredes com pinturas bucólicas, colunas em estuque e mármore, madeiras trabalhadas - porque a comida era muito fraca ou tivemos pouca sorte. Salvou-se o papanach a sobremesa típica da Roménia, um bolo com creme de queijo e licor de frutas.

Neste local, passaram nomes famosos, músicos, príncipes e políticos. Pareceu-me que a fama se sobrepõe à qualidade, apesar do esforço dos elementos da música ao vivo e do folclore.

Bucareste20.jpg

Bucareste21.jpg

Bucareste22.jpg

Bucareste23.jpg

No centro histórico há uma diversidade cultural visível ao nível da sua arquitetura, em que edifícios majestosos dos finais do séc. XVIII e inícios do séc. XIX coexistem com outros mais tradicionais dos Balcãs ou com outros de linhas mais modernas.

No dia seguinte andámos pela Praça da Revolução, onde Ceausescu fez o ultimo discurso e que despoletou o fim do regime. No centro há um estranho monumento, que os romenos apelidam de azeitona num palito, a evocar a revolução e o sangue derramado.

Bucareste10.jpg

Bucareste11.jpg

Bucareste12.jpg

Devido à presidência europeia pela Roménia as visitas, ao segundo maior edifício administrativo do mundo – Parlamento Romeno - a seguir ao Pentágono, tinham sido canceladas por questões de segurança.

Visto ao longe já é qualquer coisa colossal, no entanto, segundo o nosso guia só visto por dentro, 12 pisos, acima do solo, com 1100 salões e mais 4 pisos e um bunker anti nuclear no subsolo. Em frente, foi construída uma grande avenida a Unirii numa tentativa de concorrer com os Campos Elísios. Este conjunto louco, palácio e avenida, afetou uma área com cerca de 60 hectares, a zona histórica, realojamento de milhares de pessoas, demolição bairros e igrejas centenárias e a deslocação de outras que acabaram por ficar escondidas por edifícios novos muito mais altos.

Bucareste30.jpg

Bucareste31.jpg

Bucareste32.jpg

Bucareste33.jpg

Bucareste também tem um Arco do Triunfo, que é quase parecido com o parisiense.

Bucareste40.jpg

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Bulgária, Plovdiv, Grabovo (museu ao ar livre) e Skobelevo (plantação de rosas) - Abril 2019

Veliko_Tarnovo1.jpg

Veliko Tarnovo é uma das comunidades mais antigas da Bulgária. A primeira presença humana foi descoberta na colina de Trapezitsa com 3000 anos a.C.

Está numa região muito bela na cordilheira dos Balcãs. Encontrámos um intenso trabalho de preservação do passado entre monumentos e acessos.

Uma muito boa experiencia e uma grata surpresa cultural entre fortalezas, palácios e igrejas.

A geografia do local também é impressionante, porque a grande colina fica cercada pelo rio. Quem levou a capital medieval da Bulgária para ali, sabia, muito bem, o que fazia.

Veliko_Tarnovo10.jpg

Veliko_Tarnovo11.jpg

Veliko_Tarnovo12.jpg

Veliko_Tarnovo20.jpg

Veliko_Tarnovo21.jpg

Veliko_Tarnovo22.jpg

Veliko_Tarnovo23.jpg

Veliko_Tarnovo24.jpg

Veliko_Tarnovo25.jpg

Veliko_Tarnovo26.jpg

Veliko_Tarnovo27.jpg

Veliko_Tarnovo28.jpg

ETAR - Museu Etnográfico ao vivo em Gabrovo, é um conjunto espantoso de outros tempos, onde a maquinaria ainda trabalha pela força da água como costumava ser no passado. Vimos uma coleção viva de instalações com moinhos de lavar roupa, moinhos de farinha, uma roda de moagem, entre outros.

Veliko_Tarnovo_etar10.jpg

Veliko_Tarnovo_etar11.jpg

Veliko_Tarnovo_etar12.jpg

Veliko_Tarnovo_etar13.jpg

Na breve paragem na vila de Skobelevo ficámos a saber que as pétalas das grandes plantações de rosas é o ouro líquido que cresce na Bulgaria. É exportado para todo o mundo para perfumarias ou laboratórios e também para os hospitais como desinfetante em cirurgias. Localmente, foi possível provar um brandy de rosas.

Veliko_Tarnovo_rosas10.jpg

Veliko_Tarnovo_rosas11.jpg

Veliko_Tarnovo_rosas12.jpg

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub